A alma é um cenário.
Por vezes, ela é como uma manhã brilhante e fresca,
inundada de alegria.
Por vezes ela é como um pôr do sol...
triste e nostálgico.

-Rubem Alves-

Seja bem-vindo. Hoje é
Deixe seu comentário, será muito bem-vindo, os poetas agradecem.

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Felicidade



Acumulei tesouro de esperança
No tímido segredo de minh'alma.
Tudo, porém, fugiu,
Irreparavelmente,
Por alguma recôndita ferida
Que o desencanto abriu,
Como a serragem se escoa
Duma boneca de pano...

Tentei prender a ventura
Nestas tristes mãos vazias,
Como o sedento que enche
As mãos crestadas e ardentes
Da linfa clara da fonte.
Mas, os dedos não puderam
Reter essa água corrente.


Helena Kolody

2 comentários:

SightXperience disse...

Olá.
Um poema muito bonito, uma escolha de bom gosto, aliâs condizente com todo o requinte deste seu espaço. As fotos são suas?
Parabéns e até uma próxima visita.

Sue disse...

Ainda estou por aqui...
Bj!