A alma é um cenário.
Por vezes, ela é como uma manhã brilhante e fresca,
inundada de alegria.
Por vezes ela é como um pôr do sol...
triste e nostálgico.

-Rubem Alves-

Seja bem-vindo. Hoje é
Deixe seu comentário, será muito bem-vindo, os poetas agradecem.

quarta-feira, 25 de julho de 2007

MONTANHAS CINZAS




Para N.S.
para que abra seu coração
e enxergue o colorido da vida.


A janela está aberta.
Meus olhos saem em busca do infinito e meu olhar é bloqueado pela cortina cinza que está aí na frente.
Não vejo nada mais que as montanhas.
Sinto uma escuridão total... e
Suo frio.
Estou tonto...
Preso entre o espaço sem nada que me afasta do horizonte,
Distante do infinito.

Muito além da realidade que não é a minha, permaneço preso nesta ficção que muitos chamam de existência.

Eu aqui, as montanhas cinzas e nada mais.
As montanhas cinzas, eu, tudo.
Em algum lugar a vida.
Lá as montanhas cinzas, e eu perdido,
Disperso entre a vida que não vejo por causa das montanhas cinzas,
Noto a vida extraviada na dimensão insignificante que existe entre o eu e o depois das montanhas.
Tenho a vida que não quero ver: uma vida que está entre qualquer outro lugar e eu.
Vida cinza.
Escura vida,
Minha vida sem cor.

As montanhas prosseguem seu sono perpétuo.
Eu... Mantenho a janela aberta (a janela da minha vida).
Fecho os olhos e
Inspiro o aroma dos pesadelos.
Me afogo...
Sinto-me dentro de uma armadura: cego, surdo e mudo.
Não percebo a dança das árvores.
Não ouço o canto dos pássaros
E sequer escuto o vento.
Tudo é cinza!?

Não...
Entre eu e o mais além existem as montanhas cinzas.
Estas, que estão aí na frente.
Aquelas, que estão em todos os lugares
O cinza é o que está aqui, dentro de mim.
Deus... o suor aumenta.
Vejo dentro e olho para fora.
Não vejo nada.
Tudo é absolutamente escuro.

A culpa é da fronteira que nos separa do infinito.
Elas são responsáveis: as montanhas cinzas.
Ela... A densa vida!

Vida?

Uma lágrima solitária caminha por meu rosto.
Agora outra, mais uma e o pranto é iminente.
Choro a confusão dos meus olhos.
Reclamo a cegueira da minha alma.
Luto contra a selvagem carga das montanhas cinzas.
Minha vida está em guerra, e...
Tudo é estranho.
Montanhas que não enxergo.
Pedras no meu caminho...
As cores sumiram.

Abro os olhos...
O amanhã e o futuro: coisas invisíveis.

Algumas vezes queria não ver nada.
Outras, quando vejo as montanhas cinzas, sinto falta do arco-íris (o colorido da existência),
Mas tudo é escuro...
Onde estás, vida?
Quem sabe atrás do cinza das montanhas!
Destas montanhas que, na verdade, são verdes,
Porque cinza está meu coração.
Um coração que bate o colorido que não vejo...

O COLORIDO QUE NÃO QUERO VER!



Eduardo Miranda
Tradução José Eduardo S.de Miranda
(Original em Espanhol: "Montes Grises")

Um comentário:

Consultora Educacional disse...

Gosto muito dos artigos de ótima qualidade do seu Blog. Quando for possível dá uma passadinha para ver nosso Curso de Informática Online. Daienne.