A alma é um cenário.
Por vezes, ela é como uma manhã brilhante e fresca,
inundada de alegria.
Por vezes ela é como um pôr do sol...
triste e nostálgico.

-Rubem Alves-

Seja bem-vindo. Hoje é
Deixe seu comentário, será muito bem-vindo, os poetas agradecem.

terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Dia de Chuva



Amanheceu a Chover

Na vidraça do meu quarto,
A bater, impertinente.
A chuva lembra uma queixa
Dolorosa, sem remédio!
Ninguém passa! Nesta rua
Moro eu e mora o tédio.

O vento atira com ela
De encontro a minha janela;
E ela, a chuva, batucando
Na vidraça do meu quarto,

Fica escorrendo e alagando
Esta indecisa luz fria
Que põe sintomas de um véu
Negro e solto pelo céu.

E a chuva cai, não abranda,
Insiste,bate,fustiga,
E o dia avança e vai abrindo mais
O seu curso de lentas melodias
Diluídas no corpo de existência
Através de um rosário de ilusões.

São sempre assim estes dias
Tristíssimos como a história
De uma ansiedade partida!

Chuva, névoa,desconforto,
A imagem da minha vida!


António Botto
In: Ódio e Amor

Um comentário:

Conceição Duarte disse...

Querida, a chuca que cai e embaça as janelas de casa, tem o poder de enbaçar um pouco a nossa vida tb. Isto é comum, mas depois dela vem o sol... Sempre o sol. Um beijo, parabéns pelo seu blgo,, CON DUARTE