A alma é um cenário.
Por vezes, ela é como uma manhã brilhante e fresca,
inundada de alegria.
Por vezes ela é como um pôr do sol...
triste e nostálgico.

-Rubem Alves-

Seja bem-vindo. Hoje é
Deixe seu comentário, será muito bem-vindo, os poetas agradecem.

sexta-feira, 11 de junho de 2010

TÃO CÚMPLICES AS PALAVRAS


Às vezes vêm de muito longe:
de fatigadas viagens,
de mortes prematuras,
de excessivas solidões.
Mas vêm.
E trazem a inicial pureza das fontes.
E a lâmina do silêncio.
E a desordem da noite.
E a luz extenuada do olhar.
Tão cúmplices, as palavras.


GRAÇA PIRES
De O silêncio: lugar habitado, 2009

3 comentários:

REGGINA MOON disse...

Madalena,

Que poema mais comovente...me emocionei!!

Maravilhoso vir aqui, me perco entre tantas postagens belíssimas!!!

Grande beijo,

Reggina Moon

Sonia Schmorantz disse...

Uma escolha especial, muito bonito!
Beijo, tenha uma maravilhosa semana!

Fernando Campanella disse...

Esse poema da Graça é maravilhoso, um dos meus favoritos da criação dela. Gosto disto: às vezes vêm de longe...tão cúmplice as palavras. Trago a imensa alegria de tê-la como amiga, como tenho a você, Mada. Você acredita que ela me enviou o novo livro dela de Portugal, como um presente? Aliás, estou pensando em fazer uma homenagem a ela também no blog, acho que vai ficar bonito. Bjos.