A alma é um cenário.
Por vezes, ela é como uma manhã brilhante e fresca,
inundada de alegria.
Por vezes ela é como um pôr do sol...
triste e nostálgico.

-Rubem Alves-

Seja bem-vindo. Hoje é
Deixe seu comentário, será muito bem-vindo, os poetas agradecem.

segunda-feira, 6 de agosto de 2007

"O AMOR ANTIGO"



O amor antigo vive de si mesmo,
não de cultivo alheio ou de presença.
Nada exige nem pede. Nada espera,
mas do destino vão nega a sentença.

O amor antigo tem raízes fundas,
feitas de sofrimento e de beleza.
Por aquelas mergulha no infinito,
e por estas suplanta a natureza.

Se em toda parte o tempo desmorona
aquilo que foi grande e deslumbrante,
o antigo amor, porém, nunca fenece
e a cada dia surge mais amante.

Mais ardente, mas pobre de esperança.
Mais triste? Não. Ele venceu a dor,
e resplandece no seu canto obscuro,
tanto mais velho quanto mais amor.


Carlos Drummond de Andrade

2 comentários:

Ana Maria Silveira disse...

Parabéns, Maria Madalena, pelo seu site! É o mais bonito que conheço, feito com amor e compartilhado generosamente com todos. Obrigada!
Considero este poema de Drummond um dos mais tocantes, dos mais amadurecidos da língua portuguesa. Abraço, Ana Maria.

Ana Maria Silveira disse...

Antes de mais nada, parabéns, Maria Madalena, por este site maravilhoso! O mais belo que conheço.Construído com amor e compartilhado com generosidade.
Encontro aqui meus poemas favoritos também. Considero este, " O AMOR ANTIGO " de Drummonnd, um dos mais incríveis da língua portuguesa.