A alma é um cenário.
Por vezes, ela é como uma manhã brilhante e fresca,
inundada de alegria.
Por vezes ela é como um pôr do sol...
triste e nostálgico.

-Rubem Alves-

Seja bem-vindo. Hoje é
Deixe seu comentário, será muito bem-vindo, os poetas agradecem.

domingo, 7 de fevereiro de 2010

Rotina



A idéia é a rotina do papel.
O céu é a rotina do edifício.
O inicio é a rotina do final.
A escolha é a rotina do gosto.
A rotina do espelho é o oposto.
A rotina do perfume é a lembrança.
O pé é a rotina da dança.
A rotina da garganta é o rock.
A rotina da mão é o toque.
Julieta é a rotina do queijo.
A rotina da boca é o desejo.
O vento é a rotina do assobio.
A rotina da pele é o arrepio.
A rotina do caminho é a direção.
A rotina do destino é a certeza.
Toda rotina tem sua beleza.


Arnaldo Antunes
(São Paulo 1960)

2 comentários:

Sarah El Khouri disse...

Esse poema do Arnaldo Antunes é muito legal! Eu curto muito o que ele escreve.
Gosto do seu blog. Aqui encontro poemas maravilhosos, de muito bom gosto.
Te convido a vizitar meu blog também.
beijos. Até a proxima

REGGINA MOON disse...

Madalena,

Lindo Poema de Arnaldo Antunes...que maravilha!!!

Passando para desejar-te um ótima semana...Grata pela visita, fico muito feliz!

Volto depois do Carnaval, vou descansar um pouquinho...rs
Saudades....

Grande beijo!

Reggina Moon