A alma é um cenário.
Por vezes, ela é como uma manhã brilhante e fresca,
inundada de alegria.
Por vezes ela é como um pôr do sol...
triste e nostálgico.

-Rubem Alves-

Seja bem-vindo. Hoje é
Deixe seu comentário, será muito bem-vindo, os poetas agradecem.

quarta-feira, 20 de agosto de 2008

'Sobre a Lenda do Pássaro Azul'




Israel Pedrosa, no livro “Da cor à cor inexistente”,
escreve que a lenda do pássaro azul, símbolo da felicidade inatingível, nasceu da analogia secreta do azul com o inacessível. Diante do azul – formula o autor –, a lógica do pensamento consciente cede lugar à fantasia e aos sonhos, que emergem dos abismos mais profundos de nosso mundo interior. Por sua indiferença, impotência e passividade aguda que fere, o azul atinge o portal do inconsciente.

Só o azul, desprovido da ardileza mundana, só o metafísico azul é pigmento de leveza e liberdade.

Da Vinci formulou: “o azul é composto de luz e trevas, de um preto perfeito e de um branco muito puro como o ar”. E disse Goethe: “o preto que clareia torna-se azul”, percebendo, na criação, a maravilhosa passagem da treva à luz. E, no desespero pela libertação das trevas, fizemo-nos Ulisses, e singramos a imensidão azul dos sete mares, e dos sete mil Danúbios azuis, na ânsia de apalparmos a matéria invisível dos sonhos.

Fizemo-nos Quixotes, pelas andanças em busca de devaneios, campeando nas quimeras da pureza. No deslizar da história, e tentando vencer a gravidade do chão, fizemo-nos, enfim, ritualísticos e desde sempre Ícaros. Contemplamos a terra como um sonho todo em azul.

No grande tear da existência, ao tecer as fibras mais ordinárias do estar e conviver no mundo, fazemos do azul a cor do Nirvana; dependuramos em nós a pedra-amuleto de água-marinha, na crença propiciatória das viagens tranqüilas; pintamos a casa nos tons de azul, se a queremos morada da felicidade.
E, se buscamos na fonte o batismo da inspiração, tingimo-nos de azul, e escrevemos uma crônica toda em azul. E azul será, imaginária e livre, a crônica de um amanhecer acinzentado, no espaço branco e preto do jornal.



Excerto da crônica – 'Liberdade é azul'- de Romildo Sant’Anna,
escritor, livre-docente,
recebeu o Prêmio ‘Casa de las Américas” – Havana.
É curador do Museu de Arte Primitivista ‘José Antônio da Silva’ – São José do Rio Preto –SP – Brasil

2 comentários:

Fernando disse...

Maravilhoso este texto, Madalena... tem a ver com tudo que sinto.

Alda Maria disse...

Sei que estou sendo repetitiva, mas preciso dizer que desde sempre me identifiquei com "essa lenda"...mesmo sem ter nenhuma noção de coisa alguma, eu sentia a relação entre liberdade, pássaro, cor azul e felicidade...Talvez esteja tentando me convencer de alguma coisa, não sei...