A alma é um cenário.
Por vezes, ela é como uma manhã brilhante e fresca,
inundada de alegria.
Por vezes ela é como um pôr do sol...
triste e nostálgico.

-Rubem Alves-

Seja bem-vindo. Hoje é
Deixe seu comentário, será muito bem-vindo, os poetas agradecem.

sexta-feira, 28 de maio de 2010

SINFONIA DO VENTO

Oh, o delírio de, à noite, ouvir o vento uivando!
Vem tão de longe, rodamoinhando,
ora num ímpeto, ora brando,
a uivar em vão...
Como enche o espaço a grande voz reboando!
... e como aumenta a solidão...


O vento vem numa agonia
semeando a treva... Mal chegou,
no céu da noite, que esplendia,
as estrelas, de luz alva e macia,
as estrelas, tão claras, apagou...


Átomo no ar abandonado,
o mundo está como suspenso
no turbilhão...
Ah! Pelo espaço imenso, imenso,
o mundo vai arrebatado
no torvelinho do tufão...


Que altas montanhas, que campinas vastas,
vieste transpondo, em terras varias,
ó vento rude e mau, gemendo, só?
E, assim gemendo, que é que arrastas
pelas estradas solitárias?
- nuvens de pó... nuvens de pó...


Lá fora, entre gemidos
agoniados,
em estranha e funérea procissão,
as arvores são vultos de forçados,
caminhados de braços estendidos,
caminhando na mesma direção...


Que imensa vela palpitante
de legendário barco, ó Vento,
andas buscando, a uivar assim,
para a impelir, veloz, violento,
para um país muito distante,
por mares únicos, sem fim?



E ora, em surdina, ora, violento,
o vento passa aflito,
em turbilhão...


Oh, como sinto grande o Espaço, ó vento,
como eu sinto o Infinito
quando o enches, assim, da tua imprecação!



Tasso da Silveira
In: Poemas
Alma Heróica dos Homens


(Tasso Azevedo da Silveira, Nasceu em Curitiba,PR, 1.895, feleceu no Rio de Janeiro, 1.968.Era filho do poeta simbolista Silveira Neto)

Um comentário:

Sight Xperience disse...

Como eu gosto de sentir o vento no rosto!
Talvez seja mesmo como diz tão bem esta "sinfonia"...o vento trás até nós a magia e a energia do Universo!

Abraço