A alma é um cenário.
Por vezes, ela é como uma manhã brilhante e fresca,
inundada de alegria.
Por vezes ela é como um pôr do sol...
triste e nostálgico.

-Rubem Alves-

Seja bem-vindo. Hoje é
Deixe seu comentário, será muito bem-vindo, os poetas agradecem.

sábado, 17 de julho de 2010

VAZIO

Voam velozes, vazios,
vagos, volúveis, os ventos.
E vai a vida voando
na vaga verde do tempo.

Ávidas aves vadias
vagam, navegam no vento.
E vão vagindo, vingando
na vaga voraz do tempo.

Alma! ai ave que vacila
na voz uivante dos ventos!
ai nave a vogar vazia
na vaga escura do tempo!

Anderson Braga Horta
Cronoscópio (1983)

2 comentários:

Silvia disse...

Oi, Maria Madalena
passei para ler esse lindo poema e desejar um bom domingo.
Abraço

rascunhomusical disse...

E o poema que vem com o vento preenche o vazio que deixo o tempo. Bela escolha. Abraço!

letrasepetalas.blogspot.com
rascunhomusical.blogspot.com