A alma é um cenário.
Por vezes, ela é como uma manhã brilhante e fresca,
inundada de alegria.
Por vezes ela é como um pôr do sol...
triste e nostálgico.

-Rubem Alves-

Seja bem-vindo. Hoje é
Deixe seu comentário, será muito bem-vindo, os poetas agradecem.

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

VER



Essas portas do ver: nos olhos belos
pálpebras simulando pétalas
fechando escuras rosas.
Abertas – túneis de luz varando trevas
(tréguas de um passado horto
de um porto se afastando).
A nave se arrisca e já é mar
de pálpebras descidas.


O jardim gera rosas e o espinho ríspido.
O dom vem do profundo: calor do frio
filho calmo do espanto
flor da cicatriz.
Pelas portas do ver nada retenho
sem raiz.


Dora Ferreira da Silva
In: Poesia Reunida
Jardins (esconderijos) 1979

2 comentários:

Sight Xperience disse...

A rosa é bela, porém possui espinhos...
Como tudo na vida são os dois lados, a escolha será sempre nossa!

Um excelente 2010
bj

Pedacinhos disse...

Que seria da rosa sem os espinhos?

Gostei do blog, Parabéns :)


Beijinhos*