A alma é um cenário.
Por vezes, ela é como uma manhã brilhante e fresca,
inundada de alegria.
Por vezes ela é como um pôr do sol...
triste e nostálgico.

-Rubem Alves-

Seja bem-vindo. Hoje é
Deixe seu comentário, será muito bem-vindo, os poetas agradecem.

segunda-feira, 21 de maio de 2012

'Até se diluir'


A tarde, em lise nestes vultos
Que cruzam meus passos lentos,
Confunde verdes no mar cinzento.
Gelo e fogo por dentro!

Deixo-me divagar, devagar,
No andar retrô, no vento que enverga.
Ninguém suspeita que me rasga
A fome oculta na nesga da prega.

Ninguém imagina que levo no esboço
Poças de silêncio e alvoroço,
Crispado e liso, vácuo e peso...
Largo- estreito, passo.

E um carro amarelo cruza avenida,
Dobra esquina, atrás da ilusão,
Deixando rastros do som da vida.

Minh’alma, numa bolha de sabão,
Intenta pousar no chão,
Como pingo de chuva.

Stella de Sanctis

Stella Maris de Sanctis (assina seus escritos como Stella de Sanctis), nascida e criada em Campinas - SP, formada em Biologia pela PUCC -Pontifícia Universidade Católica de Campinas-, é docente de Biologia, com passagem pela coordenação pedagógica, autora de peças teatrais infanto-juvenís ( algumas encenadas: Santuário, Ouro Azul, Droga: A Barca para o Inferno, Paralelo Brasil-Japão), autora do livro "Roteiro das Cores - Poética", com lançamento do segundo livro ,"O Fogo das Palavras", previsto para final de março deste ano, juntamente com a segunda edição de "Roteiro das Cores", ambos pela editora Nelpa.

2 comentários:

vieira calado disse...

Sempre divulgando bons autores!

Saudações poéticas!

Maria Madalena disse...

Entre eles, você, que é dos meus poetas favoritos! Muito grata por sua carinhosa visita.
Maria Madalena