A alma é um cenário.
Por vezes, ela é como uma manhã brilhante e fresca,
inundada de alegria.
Por vezes ela é como um pôr do sol...
triste e nostálgico.

-Rubem Alves-

Seja bem-vindo. Hoje é
Deixe seu comentário, será muito bem-vindo, os poetas agradecem.

domingo, 20 de março de 2011

EM SURDINA


"Chacun de nous a sa blessure; j'ai la mienne.
Toujours vive elle est là, cette blessure ancienne."
(Rostand)


Ouve. É tão tarde! A música do vento
Embalou-me, de leve, o pensamento
E fez-me, sem querer, pensar em ti.

Lembras? Reinava em torno a primavera
Tu foste bom e crente, eu fui sincera,
Áureo sonho de amor, que não revi.

Depois... Que importa? O mundo permanece,
A vida segue e um dia, a gente esquece
Aquilo que supôs nunca ter fim.

As estações variam, correm anos,
Multiplicam-se os nossos desenganos,
Que a lei universal ordena assim.

Mas, se tudo morreu, por que agora
Eu, que desprezo o coração que chora,
A uma saudade inútil sucumbi?

Ouve e perdoa. É a música do vento,
Que me embala de leve o pensamento
E faz-me, sem querer, pensar em ti.


Alba Saltiel Bianco
In Música do Vento

Do blog da amiga Dione Coppi

Obs; A citação em francês, (da autora), pertence ao livro Cyrano de Bergerac de
Edmund Rostand -

Um comentário:

REGGINA MOON disse...

Madalena,

Que maravilhoso verso...li várias vezes e o levo comigo!!!

Belíssimo!

Parabéns pelo Dia do Blogueiro...tem selinho no meu Blog pra voce...

Uma Boa Semana!!

Beijos,

Reggina Moon