A alma é um cenário.
Por vezes, ela é como uma manhã brilhante e fresca,
inundada de alegria.
Por vezes ela é como um pôr do sol...
triste e nostálgico.

-Rubem Alves-

Seja bem-vindo. Hoje é
Deixe seu comentário, será muito bem-vindo, os poetas agradecem.

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

''OS RIOS''


Magoados ao crepúsculo dormente,
Ora em rebojos galopantes, ora
Em desmaios de pena e de demora,
Rios, chorais amarguradamente.

Desejais regressar... Mas, leito em fora,
Correis... E misturais pela corrente
Um desejo e uma angústia, entre a nascente
De onde vindes, e a foz que vos devora.

Sofreis da pressa, e, a um tempo, da lembrança...
Pois no vosso clamor, que a sombra invade,
No vosso pranto, que no mar se lança,

Rios tristes! agita-se a ansiedade
De todos os que vivem de esperança,
De todos os que morrem de saudade...

Olavo Bilac

3 comentários:

regina ragazzi disse...

Tão nostalgico e tão belo!!Maravilhoso poema de Olavo Bilac.
Bjss

Malu Silva disse...

Os rios são como as pessoas, vão por onde os caminhos os orientam... Eu adoro passar por aqui, pois sempre encontro as mais belas escolhas de poetas que muitas vezes desconheço seus trabalhos. estas partilhas são salutares, minha amiga!!!
Grande abraço!!!

Pr Venilton Jesus disse...

Os poemas sao lindos.
A fotos maravilhosas.
Parabens pelo blog.
Pr Venilton