A alma é um cenário.
Por vezes, ela é como uma manhã brilhante e fresca,
inundada de alegria.
Por vezes ela é como um pôr do sol...
triste e nostálgico.

-Rubem Alves-

Seja bem-vindo. Hoje é
Deixe seu comentário, será muito bem-vindo, os poetas agradecem.

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

''AO SAL''


 
 "Nega-me o pão, o ar,
a luz, a primavera,
mas nunca o teu riso,
porque então morreria."
(Pablo Neruda)

Nega-me tua alma –
esta alma, mesma, que me furtas

e é ao degredo irremediável
que me remetes.

Nega-me tua chama
que arde no delírio dos deuses,
teu anjo, que ressona na fluidez dos lagos,
tuas asas desdobradas,

nega-me, nega-me tua espuma
que regurgita no sonho das aves
(eu sou o teu infante pássaro)

e é sem minhas fontes que me deixas,
sem meu ar extasiado.

Nega-me teu mar, tua tempestade,
o sonho e a fantasia,
e me deixas ao relento, ao sal amargo
de cada dia.

Nega-me teu olhos e já não me atento

que a felicidade embora utopia das sombras
é também certa luz incidente
que só de teu olhar
meus olhos como cúmplices pressentem.

Fernando Campanella

3 comentários:

Silvia disse...

Oi Maria Madalena
que lindos poemas. Abraço

VILMA PIVA disse...

Lindissimo post. Essa poesia toca no fundo do coração e nos enleva. Parabéns!! Bjs.

Cássia Sampaio disse...

Oie..
Bom dia!!!
Quero lhe convidar para você participar do meu blog...
http://pedacodeumalma.blogspot.com.br/

Mudei de endereço, adoraria te encontrar por lá.
Estarei sempre por aqui...
Bjs e flores.
Fica com Deus
Cássia Sampaio